21 de fev de 2017

60 Horas em uma penitenciária. Parte 3.

Dando continuidade a série, sobre meu estágio em uma penitenciária de Minas Gerais, onde a primeira postagem e a segunda podem ser conferidas, aqui e aqui.

A enfermaria


Típica rotina de trabalho do local. Fonte aqui.
Como já é sabido por todos, preso tem direito a saúde, dentista e acompanhamento médico. Como eles não podem ir até os postos de atendimento, os postos de atendimentos vêm a eles. Dentro das unidades, há sempre (quase sempre) uma enfermaria, equipada com aparelhos e profissionais da saúde: médicos, enfermeiras, farmacêutico, dentistas, profissionais da saúde em geral. 

Algumas unidades são melhores equipadas, outras não. A que eu estava possuía todos os profissionais que listei acima, quase todo o corpo de profissionais deste local era composto por mulheres, tendo apenas um ou dois ASPs realizando a segurança do local.

Uma das grandes dores de cabeça dos gaiolas (ASPs que tomam conta da gaiola: área limite do ponto crítico (celas) com a área de segurança) são as dezenas de "caô" que os presos ficam enviando para eles. Caô são bilhetinhos que os presos deixam com os gaiolas, solicitando atendimento (médico, jurídico, educacional, visitas íntimas, etc) muitos contendo uma boa dose de mentira e enrolação, outros não.

As enfermarias, são minas de ouro para os presos e para o comércio entre eles. Como os presidiários possuem direito a remédios e as unidades de tratamento possuem remédios importantes para o "convívio social deles" não era de se esperar outra coisa. Estou falando dos remédios taxa preta, controlados e outros de mesma natureza. Remédios que são usados como drogas, para provocar as "viagens", para potencializar os efeitos das drogas, os que misturados com outros, ou tomados em grandes doses provocam efeitos psicodélicos ou psicotrópicos.

Os presos gostam tanto de remédios que há até uma expressão dos agentes penitenciários: "Com um vidro de Tylenol, você segura uma rebelião". 

Os diretores até que tentam realizar um controle destas substâncias e remédios, mas por lei não podem negar remédios aos presos, sem contar que alguns presos conseguem via jurídica para receberem tantas doses de determinado remédio. Ainda mais pela condição carcerária deles, é relativamente fácil para um preso conseguir pela justiça o direito de fazer usos desses medicamentos, para aliviar seu traumas e stress. 

Há sim o atendimento a presos que estão realmente doentes, com doenças graves ou menos grave, mas o comércio de remédios existe e é bem rentável na cadeia, tanto para os presos tanto para os funcionários.  Vocês conseguem ler nessas entrelinhas o que quero dizer, não que eu tenha visto, apenas escutado histórias.

Uma das coisas que os presos gostam de fazer também, é mostrar o pênis para as enfermeiras. Eu devo ter levado uns 10 presos para atendimento médico nas partes íntimas. Alguns (quase todos) presos ficavam algemados para a frente, e as próprias enfermeiras tinham que tirar a calça e cueca do indivíduo, para pegar na rola do preso. Eu tinha que ficar no consultório, protegendo a integridade física da enfermeira, acabava vendo essas cenas (homem pelado é que mais se vê nas cadeias). Algumas vezes elas faziam com gosto, outras vezes com nojo. Alí pude notar como mulheres agem em relação ao tamanho do órgão masculino, experiência ao vivo e em loco. 

Normalmente a cara, o sorriso, higiene e a conversa do preso faziam com que elas fossem mais receptivas a consulta, o cheiro incomodava muito elas, a aparência e tamanho também. Ou talvez foi apenas viagem e minha imaginação tendenciosa. O fato é que havia sim diferença no tratamento dos presos, diante deste tipo de consulta, os motivos não posso afirmar quais eram, apenas suspeitas tendenciosas ao folclore urbano.  

Fonte: aqui
Não quero dizer que presenciei mamadas e relações sexuais, apenas que algumas vezes elas faziam uma vistoria mais detalhada, ficavam mais tempo segurando o órgão, algumas vezes faziam perguntas clínicas segurando o phalus, esboçavam sorrisos, na maioria das vezes nem olhavam direito. Uma grande parte do público de presos são compostas por moradores de ruas, viciados que nem banho tomavam, doentes aidéticos, mendigos, aleijados. Há também a outra parte, presos fortes, musculosos, jiu jiteiros,  chefes de tráficos, brigões de bar, ratos de academia, lutadores de muay thai, etc. Até um ex vereador da cidade eu encontrei lá dentro. Sem contar que tem muita rotação de preso, é gente entrando e saindo presa o tempo todo, e na penitenciária havia mais de 1000 presos, onde uns 300 rotacionavam por mês. Tenho uma leve suspeita que essas meninas e mulheres viam e seguravam mais pênis que muita garota de programa por aí.

Na enfermaria também há celas, normalmente presos que precisam de tratamento médico especial, X9, presos marcados para morrer, estupradores de menor, ou então estão se recuperando de uma bela surra que tomaram de outros presos, ficam acautelados na enfermaria. Em geral, presos que precisam de seguro e não tem onde colocá-los.

Na semana em que estive lá, notei que a rotina é bem, mas bem mais leve do que as dos postinhos de saúde públicos. Não há filas, pessoas doentes caídas pela chão, cadeiras ou macas nos corredores. Ficam no máximo um ou dois presos recebendo atendimento na enfermaria, após o atendimento terminar é que elas (enfermeiras) dão autorização para buscar outro preso para o atendimento. Há também um limite máximo de presos que elas atendem por dia, acredito que cada uma deve atender no máximo uns 5-7 presos por dia, não posso afirmar com precisão os números, mas sei que não é muito, sempre que chegava lá havia uma roda de conversa, claro, casos graves se abre exceção. Os agentes penitenciários, não gostam também de ficar entrando em corredores e celas lotadas, para tirar preso para o atendimento, então nem eles nem elas reclamam da falta de atendimento clínico.  Acredito que durante as campanhas de vacinações, o trabalho é um pouco mais puxado, eles possuem direto prioritário de receber vacinas, por estarem em ambiente confinado.

Quando há casos mais graves, ou quando não há especialistas no unidade, os presos são escoltados até os hospitais públicos. Eles, os presos, possuem atendimento prioritário e passam na frente de todo mundo, não importa o tamanho da fila que a unidade de saúde pública possuí, eles sempre são atendidos rapidamente. 

Jurídico e cartório


Essa parte, infelizmente eu não tenho muito o que falar. Só fui duas vezes a estes locais, não tive muito acesso a este departamento penitenciário. Nem fotos eu encontrei na net, então vamos ter de exercitar a imaginação.

Uma coisa que vamos ter em mente é que advogados são semi-deuses para os presos, eles são quem ajeitam suas vidas dali para frente. O atendimento ao jurídico e ao cartório, são também fontes de muito caô, os bilhetinhos dos presos para os agentes de segurança penitenciários. Jurídico e cartório são departamentos diferentes também.

O Jurídico é onde os advogados contratados pelos presos atendem e são muitos. Eles, os advogados, são imunes as leis penitenciárias. Podem entrar e estacionar seus carros dentro das penitenciárias, podem andar sem escolta (ASPs) pela penitenciária, não podem sofrer revistas, não podem ter seus pertences revistados, possuem salas com acesso a internete, podem usar celular dentro da penitenciária, possuem café e lanche da tarde bancado pela unidade penitenciária. 

Vou tentar descrever um pouco o prédio e ala jurídica. Eles possuem um prédio, afastado dos demais pavilhões dos presos, não muito. O prédio tem a sala de espera, onde os advogados ficam aguardando os agentes trazerem os presos para o atendimento. 

A sala está equipada com mobiliários, como sofá, filtro, garrafa de café, mesas, copos descartáveis, uma televisão lcd, duas baias com computadores conectados a net. Normalmente, eles ficam conversando fiado, no telefone ou navegando na internete enquanto aguardam seus clientes. Não são mobiliários novos, e nem os pcs são de última geração. 

Já logo quando entrei no local, fui estranhamento abordado por três advogados com seus ternos, gravatas e pastas. Eles vinham com jogos de perguntas sobre como os agentes estavam no dia, de como ouviam barulhos estranhos vindo dos pavilhões, que tinham visto presos mancando, o que eu achava das leis carcerárias e de como os presos são tratados. Se eu achava certo punir quem já estava sendo punido pela sociedade, tentei ficar calado, não por ser velhaco com as artimanhas deles, apenas por que estava me sentindo oprimido. Sentia que eles estavam procurando algo para usarem a favor de seus clientes, ou para ferrar alguém alí. Eles eram eloquentes, bem articulados  e eu, um sujeito do interior sempre fico acanhado e sem jeito diante de pessoas assim, normalmente acabo ficando mudo diante dessas pessoas. Como mecanismo de defesa social, para não dar muita bobeira, gafes, ou medo de me passar como idiota.

O agente que estava me instruindo, logo me tirou para longe dos advogados e me recomendou ficar bem longe deles, alertando que é bem comum eles abrirem processos contra os ASPs. 

Quando o Agente chega com o cliente (preso), o advogado se levanta e o conduz para uma corredor, cheios de salas, as quais possuem um vidro (janela que não abre) que dá para este corredor, sua medida deve ser de 25 cm x 25 cm. Nesta sala, só é permitida a entrada do advogado e do preso, o agente penitenciário deve ficar do lado de fora, para não ouvir a conversa e nem ver os detalhes do que se passa no atendimento, apenas observando pela vidraça do lado de fora. Se o advogado passa algum celular para o preso, ou outro material proibido no estabelecimento, o agente tem de responder no cartório, sobre sua postura e falta de atenção na hora de conduzir um preso para o atendimento.

Já o departamento que eles chamam de cartório, é onde os presos fazem as denúncias de maus tratos, agressões verbais e físicas que sofrem dos agentes penitenciários. Se o agente não fez seu trabalho de ouvir e atender os pedidos dos presos, se eles lhe faltaram com respeito, se agrediram, ou tiveram atitudes agressivas com as visitas, etc. É uma sala que possui um movimento considerável, tanto de presos fazendo as denúncias, como de agentes que têm de darem as devidas explicações para seu desvio de conduta. 

Os agentes não têm acesso aos advogados e analistas jurídicos que a penitenciária possui, eles só atendem as solicitações dos presos e abrem processos contra os agentes, ou fazem trâmite jurídico de redução de pena para os presos.

Está ficando mais extenso do que eu imaginava, ainda vou ter de fazer a parte 4 e quem sabe a 5, para terminar minha experiência. Se quiserem que eu pare, para não ficarem enchendo o blog roll de vocês com assuntos que não é pertinente a blogosfera, é só dizerem. Ou então, se possuem alguma curiosidade sobre estes estabelecimentos que não estão sendo contempladas neste humilde relato.

www.arquivos-virtuais.blogspot.com

















     


30 comentários:

  1. Não para não! É muito bom ler sua experiência! Um abraço Rafael

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rafael.

      É sempre bom ouvir e saber que tem alguém lendo isso aqui.

      rsrsrss

      Excluir
  2. O Vidinho, voce ja nao tinha um cargo publico tranquilo? Manda essa porra toma no cu. Se a penitenciaria que voce ira trabalhar for exatamente do jeito que voce escreveu compensa ficar aonde voce estar e, caso for de seu interesse, continuar estudando para outra coisa. Penso que num ambiente de trabalho desse e muita chateacao para pouco dinheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anônimo.

      É um ambiente cheio de picuinhas, mas que dá para ser contornado com certa facilidade.

      Sim, já tenho um cargo público mais tranquilo, na verdade, trabalha um bocado a mais que o cargo de agente e ganha um bocado a menos.

      A principal vantagem são os relacionamentos interpessoais, pois não estou cercado de bandido, de gente querendo meu mal o tempo todo.

      com R$ 4.100,00 no interior de minas vc já pode pagar de playboy sem problema algum.

      rsrsrsrssrr

      É um bom salário para o interior de MG, você já vai estar entre os 70% mais bem pagos da região.

      Mas não posso reclamar do meu cargo também, é bem tranquilo e bom.

      Excluir
  3. Ou faz melhor, entra no sistema. Se voce cair numa penitenciaria mais tranquila e que nao vai ter tanta enchecao de saco dai beleza. Agora se cair num inferno e voce comecar a abracar jaca e responder processo dai vc toca o foda se e baixa. Da uma de zero e pega afastamento no psiquiatra. Ta loco. Pega as manha dos antigos e tenta trabalhar no sistema de boa. Agora se nao der. Trabalha um tempo e se comecar a vir com putaria pra cima de voce dai vc pega licenca e caga pra isso ai. Trabalhe na manha e nao se envolva com nenhum esquema. Mas se vc comecar a responder bronca a toa vc manda esse sistema pra pqp.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é o que a maioria faz!!!

      =D

      Infelizmente essa é a verdade!

      Como eu disse nas postagens antigas, se fosse há uns 4-5 meses atrás eu não pensava duas vezes para trocar de concurso.

      Excluir
  4. Por mim manda bala vidinho excelente relato dos bastidores. É um absurdo o gasto com essa "ressocializacao" mas também não sei se é possível fazer de outra maneira. É proibida a pena de trabalhos forçados no Brasil, mas acho que a chave era por quem tivesse a fim pra trabalhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Essa é uma discussão antiga, onde para cada 10 pessoas da área que você perguntar, 9 vão ser a favor do trabalho forçado.

      Concordo plenamente com você, é uma estrutura muita grande de pessoas e recursos para atender apenas 1000 pessoas e a sociedade não receber nada em troca, apenas a segurança de não os ter andando por aí.

      Benefícios e atendimentos, apenas se o preso trabalhar.

      Excluir
  5. Cara, muito legal seus relatos sobre a penitencia! Eu nem imaginava que acontecia essas coisas, por favor, continue!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem eu Pobre Japa.

      Encontrar farmácia, escola, advogados, sem contar a rotina dos presos. Foi tudo uma surpresa para mim.

      Excluir
  6. Excelente série de postagens!
    Estou acompanhando!
    Se eu fosse você ficaria nesse emprego mesmo, contudo, não pararia de estudar.
    Com certeza é mais promissor pra sua carteira de investimentos do que trabalhar na área da educação pública.

    Abraçoo!

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Burguês

    Vamos ter surpresas em breve.

    ResponderExcluir
  8. Continua com os posts... Como disse uma vez, estou estudando para o concurso de Agente Penitenciário do meu estado. E apesar de que em algumas coisas tenham suas diferenças por conta de ser uma região diferente, é bom ter uma visão geral da coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou fechar o série anônimo.

      Bom saber disso. E realmente, é muito bom saber como as coisas funcionam e suas diferenças entre os estados.

      Eu ficava horrorizado sobre as experiências dos ASPs que trabalharam em Goiás.

      heheheh

      Excluir
  9. Vidinho, continue com as postagens sobre o trabalhos dos ASPs. Estou muito interessado na área, inclusive penso em prestar concurso. Abraço, Anônimo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma boa área, para um pobre ingressar!

      Recomendo fortemente, aqui no interior de MG, é claro. Não posso opinar sobre outros cenários.

      Excluir
  10. Muito interessante! Qd será a quarta parte?

    ResponderExcluir
  11. Realmente, muito interessante sua história. Vc falou de coisas q eu nunca tinha parado pra pensar como seriam.

    Queria saber como seria numa prisão menos organizada q essa q vc foi.

    Não sei se vc falou, mas se falou passou despercebido. Essas 60 horas que vc passou na penitenciária foram quantos dias?

    Mais uma coisa. Em um dos textos vc falou que ainda estava como analista educacional. Vc pediu algum afastamento/férias do cargo antigo pra fazer o curso e o estágio?

    No aguardo das próximas partes! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Thiago.

      Infelizmente só tive contato com essa prisão, e com histórias dos demais agentes sobre outras prisões.

      Então, eu consigui 60 dias de licença para fazer o curso de ASPs.

      Há uma lei Federal que autoriza as pessoas a pegarem licença para curso de formação na área de segurança (polícia militar, cívil, bombeiro, forças armadas, etc).

      E há estados em que se aplicam essa lei para sua área de segurança estadual, MG é um deles.

      Fiquei uma semana na penitenciária.

      abs.

      Excluir
  12. Respostas
    1. Oi Matheus

      vai sair.

      rsrsrsrs

      Vou tentar agilizar o processo e postar ainda este mês

      Excluir
  13. Gostei do relatos da Enfermaria. Qual é a frequência de envolvimento amoroso das funcionárias não só da enfermaria, mas também de outros setores como escola?

    ResponderExcluir
  14. VdA

    Rapaz, não tenho essa informação. Apenas na escola que soube que havia professoras namorando presos.

    Na enfermaria este assunto não veio a tona, e também, lá é mais difícil para os ASPs terem acesso, e como eu disse: "Só entra um preso por vez e um ASP acompanhando ele, as enfermeiras não deixam amontoar de gente para serem atendidos no setor delas"

    abs

    ResponderExcluir
  15. Cara continua com tua série. Bem interessante seu ponto de vista.

    Abraços!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou continuar.

      Sou meio preguiçoso, mas vou terminar a série

      Excluir
  16. Karaio que coisa, não? To marcando teu blog pra ler depois.

    Relatos interessantes de vida.

    Tu é funça publico? Digo, no cargo anterior?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim,

      Sou funça público a um ano. Antes era escravo em uma fazenda/indústria de soja.

      Excluir
  17. Eu so consigo ler aquela parte dos remédios lembrando da cena do sargento Rocha de Tropa de elite, tirando um maço de nota da gaveta e dizendo "mas pra tu tudo a gente da um jeitinho".

    E esses advogados então, Brasil sendo Brasil em todo canto.

    Assim, os relatos são bons num blog para sair daquele lenga lenga de fechamento onde não tem como o blogueiro dizer tudo, ou diz tudo superficialmente. Sobre encher o feed de vcs com atualizações o site é seu e deve postar o que quiser.

    ResponderExcluir
  18. Post do ano aqui na blogosfera até agora.

    não ligue para advogados. se eles não usassem terno e gravata seriam apenas caras chatos e com jeito de maluco.

    abç!

    ResponderExcluir